[textos]
Canudos

Nel 1969, nel pieno della recrudescenza della dittatura militare in Brasile, il Dipartimento Nazionale delle Opere Civili costruisce la diga di Cocorobó presso il comune di Euclides da Cunha, nell’entroterra di Bahia, inondando i resti di Canudos. Canudos, battezzato Belo Monte dal rivoluzionario leader Antônio Conselheiro, era stato distrutto nel 1897. Con la diga vengono costruiti anche stabilimenti temporanei per i professionisti responsabili delle opere di costruzione, tra cui residenze e strutture per il tempo libero. Tra queste si scorgono alcune case, allineate in un rigido ordine dal sogno moderno. Qui oggi vi abitano i residenti dei Canudos contemporanei – e le tracce, morbide, di insubordinazione, vivificano lo spirito quotidiano.


Em 1969, em pleno recrudescimento da Ditadura Militar no Brasil, o Departamento Nacional de Obras Civis construiu o açude do Cocorobó, no município de Euclides da Cunha, no sertão baiano, inundando os vestígios de Canudos. Canudos, batizada de Belo Monte por seu líder revolucionário Antônio Conselheiro, fora destruída em 1897. Para a construção do açude, construíram-se também instalações temporárias para profissionais responsáveis pelas obras, entre as quais residências e equipamentos de lazer. Ficaram algumas casas, enfileiradas num ordenamento rígido de sonho moderno. Nelas hoje habitam residentes da Canudos contemporânea – e traços,
suaves, de insubordinação vivificam o espírito cotidiano.

leia completo >

autoria: Junia Cambraia Mortimer
DOI: 10.13133/2532-6562_2.3.14320
2018